quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Saio, procuro, fujo, corro...

  
   Saio, procuro, fujo, corro… Saio de uma prisão mental em que estou constantemente algemado, procuro-te incessantemente, fujo do medo que tenho de não te ver, de não te encontrar, e corro para ti, para a minha felicidade, para o sítio de onde nunca devia sair. E só uma nova prisão mental nos separa para um sempre contável e que chegará, mas é um sempre. Mas o sempre esgotar-se-á, e voltarei a sair, a procurar, a fugir, a correr, voltarei a ser feliz…
   Obrigado Cristiana por manteres o meu coração constantemente ligado à felicidade!

Sem comentários:

Enviar um comentário